sábado, 9 de outubro de 2010

…Relógio da vida…



O relógio “anda”,
Movimenta-se sem parar,
Ele nos segundos, minutos e horas manda,
Difícil é o segurar.

Quantas vezes o queríamos parar por momentos,
Quantas vezes o queríamos adiantar,
Ele que não nos “ouve” nem tem sentimentos,
Mas sabe muitas vezes como nos deixa ficar.

Ciclo giratório,
Que nos faz reger sobre ele,
Ele impõem o horário,
Ai o que sentimos na pele!

Relógio, quantas vezes te admiro,
É um vicio constante,
Por aguardar momentos que suspiro,
Ou simplesmente por outros de cariz importante.

Como te queria controlar,
Manipula-te a meu belo prazer,
Mas isso é impossível, toca a acordar,
Muita gente concordará e sabe o que estou a dizer.

Relógio que muda, altera as vidas,
Que nos faz mudar,
Queria ter as horas todas sabidas,
Para saber lidar com todas as situações, iria ajudar.

8 comentários:

  1. Que posso dizer mais? Tens jeito para isto! Parabéns *

    ResponderEliminar
  2. Gostaste? Olha a mim está a dar-me a volta à cabeça --.

    ResponderEliminar
  3. Acredito sim.
    Mas a parte da genética era escusada :b

    ResponderEliminar
  4. e o relogio da vida não para mesmo hem? Assim é e inspiração deste grandioso poeta,parabésn mais uma vez,ótimo,abraços.

    ResponderEliminar
  5. sim, a letra é linda e este poema tambem :)

    ResponderEliminar

Gostas-te? Não deixes de comentar e seguir :) Obrigado!