segunda-feira, 4 de outubro de 2010

…Volta…



Quando aqueles olhos vejo a brilhar,
Quando vejo aquela face que me seduz,
As suas mãos me prendem sem agarrar,
Simplesmente não sei quem me conduz.

Espero voltar a sentir,
O que outrora senti e gostei,
Se a vida me “ouvir”,
Irei tentar o que no fundo sempre acreditei.

Quando vejo a sua delicadeza,
Quando vejo o seu jeito sem igual,
O que sinto é uma certeza,
Não me interpretem mal.

Quem gosta não esquece,
Por muito que se tente,
O sentimento sempre aparece,
Mesmo que penses que estás contente.

Quando vejo sinto o inexplicável,
O seu sorriso faz me sorrir,
Quero um futuro que seja impecável,
E estar a seu lado para o que à de vir.

Espero escrever muitas linhas,
Linhas deste sentimento,
Mas não quero adivinhas,
Quero tudo na realidade, tudo concreto.

5 comentários:

  1. Um dia ainda vais conseguir aquilo que tanto queres :)

    ResponderEliminar
  2. ninguém pode discriminar um sentimento e sublime que é o amor.Tudo na realidade,tudo concreto,gostei muito ,como sempre fantástico.Admiro muito vc poeta,abraços.

    ResponderEliminar

Gostas-te? Não deixes de comentar e seguir :) Obrigado!